quarta-feira, 3 de junho de 2009

CONTEXTUALIZANDO O TREINAMENTO FUNCIONAL




O treinamento funcional comercialmente divulgado na atualidade, é uma resposta as atividades físicas; particularmente musculação e ginástica, que numa primeira análise atenderiam a objetivos apenas estéticos, e por isso não funcionais. O termo funcional deriva se do esporte, onde todo o treinamento e os complexos de exercícios selecionados têm (ou pelo menor deveriam ter) uma função específica para o condicionamento e a formação do atleta.

A popularidade do termo no Brasil se deve a duas questões: de um lado a pobreza de orientações específicas para o treinamento especializado de atletas de alto rendimento; ainda limitado na visão de alguns preparadores à atividades aeróbias tradicionais pra desenvolver o “gás” ou de musculação em máquinas high tech pro desenvolvimento de “força” e “resistência”. A outra questão envolve uma indústria do fitness em constante reciclagem por conta de um mercado volátil, ávido por novidades que não apenas ofereçam os benefícios do exercício, mas que tenham um componente lúdico ou algo mais que faça com que os praticantes sintam se como super heróis, vivendo uma atmosfera imaginária durante as aulas, um ambiente de superação proporcionado por músicas, roupas, gestos e práticas não convencionais etc.


Mas e o treinamento funcional?


NA DEFINIÇÃO DA NATIONAL STRENGHT AND CONDITIONING ASSOCIATION, O TREINAMENTO FUNCIONAL É UM... ... contínuo de exercícios envolvendo equilíbrio e propiocepção, executado com os pés no chão e sem a assistência de máquinas, de forma que a força seja aplicada em condições instáveis e o peso corporal precise ser controlado em todos os planos de movimento.



...atividade multi articular, multi planar, propioceptivamente desafiadora envolvendo desaceleração e aceleração de forças, estabilização, instantes controlados de instabilidade, e o domínio da gravidade, das forças reativas no solo, e do momento de força (impulso).


...espectro de atividades que condicionem o corpo de forma compatível com seus movimentos integrados, ou com o seu uso. ...


...e então o autor do texto Steven Plisk resume: TREINAMENTO FUNCIONAL ENVOLVE MOVIMENTOS QUE SEJAM ESPECÍFICOS EM TERMOS DE MECANICA, COORDENAÇÃO OU VIAS ENERGÉTICAS, À SUAS ATIVIDADES COTIDIANAS!


Nesse sentido, a barra, ainda é a maior invenção da história do treinamento de força! Os velhos pesos e halteres, utilizados em suas formas mais antigas e ancestrais (arranque, arremesso, desenvolvimento em pé, agachamento, levantamento terra, remada curvada; e os números circenses de equilíbrio e força que datam já de alguns séculos) constituem o verdadeiro “CORE” do treinamento. Eles lidam exatamente com aceleração e desaceleração de forças multi planares, sem qualquer apoio para o tronco, pés no chão procurando o ponto de equilíbrio, o centro de gravidade. Quando realizados em sua total amplitude desenvolvem SIMULTANEAMENTE a flexibilidade e a força, alem de serem capazes de aprimorar não apenas a força máxima, mas também as forças reativa e explosiva exigindo apurado funcionamento do aparelho proprioceptor. Esses movimentos constituem atualmente; pelo menos a nível internacional, grande parte do treinamento de velocistas, lançadores, atletas de MMA e artes marciais diversas, alem de esportes coletivos como o basquete, o vôlei e o futebol americano.



ATIVIDADES COMERCIALMENTE PROPOSTAS COMO FUNCIONAIS:


Um arsenal de elásticos, plataformas, medicine balls, kettlebells, bolas suíças e mesmo alguns implementos que antes eram apenas usados pela fisioterapia são atualmente combinados de maneira "criativa" na composição de circuitos. Quando executados em seqüência, sem intervalos e com ênfase na velocidade, esses blocos de exercício tem um inegável benefício: manutenção de alta freqüência cardíaca na zona de limiar anaeróbio. O efeito geral disso pode ser uma elevada queima calórica e a capacidade de realizar trabalhos gerais em condições limites de débito de oxigênio. A variedade de estímulos (muitas vezes não relacionados entre si ou com a especificidade do esporte) pode constituir uma ótima quebra de rotina na fase preparação geral de um atleta, ou, para o consumidor de fitness das academias, que quer se sentir como um atleta mesmo que de mentirinha, e não necessita na verdade de nenhuma funcionalidade esportiva específica.



Mas então o que torna essas atividades funcionais pro freqüentador de academia?


No sentido específico, NADA! Num sentido geral, dependendo da combinação de exercícios, o praticante comum pode melhorar sua coordenação, sua percepção espacial, seu equilíbrio, sua agilidade. Uma atividade é “funcional” nesses termos, somente quando atende a uma necessidade específica, mas quais são as necessidades específicas do freqüentador típico de academia ?


MODIFICAR SUA COMPOSIÇÃO CORPORAL, MODIFICAR SUA COMPOSIÇÃO CORPORAL, E FINALMENTE MODIFICAR SUA COMPOSIÇÃO CORPORAL...


... a composição corporal se modifica quando o indivíduo aumenta sua massa muscular e/ou reduz o tecido adiposo. Por aumento de massa muscular, subentende-se HIPERTROFIA, e embora uma nova geração de academias tenha preconceitos contra esse nome e contra indivíduos musculosos em geral, dizendo seguir uma linha voltada para “saúde” e não para “hipertrofia”, é essa hipertrofia; e o treinamento de alta intensidade envolvido no processo, que trará os maiores benefícios à sua clientela, sejam eles adolescentes, jovens adultos ou idosos. Normalização da glicemia, redução de estresse no músculo cardíaco e discreto aumento no consumo de oxigênio, estabilização ou redução da pressão arterial, aumento da densidade mineral óssea (quando se treina PESADO),etc.


E o treinamento funcional para atletas ?


O treinamento de atletas é funcional desde o início da organização dos esportes na Grécia, não há nenhuma novidade nisso, pois o próprio termo é derivado do esporte. Na tentativa de dar uma nova roupagem a essa prática e vende-la como novidade, é que alguns equívocos podem estar acontecendo. Em relação as vias energéticas, a combinação de exercícios em circuitos pode ser organizada de forma a manter freqüência cardíaca compatível com a que ocorre durante a prova esportiva, mas em relação a mecânica corporal, ESPECIFICIDADE não é simplesmente reproduzir o gesto esportivo específico contra sobrecarga de elásticos, caneleiras, etc.


Partindo dessa idéia, chegamos a “ POSIÇÃO ATLÉTICA UNIVERSAL”: Joelhos e quadris semi flexionados, tronco inclinado à frente. Posição preparatória para saltar, correr, atacar. Posição de correspondência dinâmica idêntica ao início do arranque, arremesso, levantamento terra e de alguns outros exercícios “funcionais” contra resistência. Joelhos flexionados, tronco inclinado à frente. Qualquer semelhança entre as posições NÃO É MERA COINCIDÊNCIA !

O que torna uma atividade funcional, ou usando um termo mais apropriado “específica para o esporte”, é o grau de correspondência dinâmica entre essa atividade; ou complexo de exercícios, e não só o sistema energético dominante no esporte, mas também o padrão de movimentos encadeados exigidos no gesto, sua velocidade e a freqüência em que se repetem, entre outras coisas. A simples reprodução isolada do gesto esportivo específico (chutar, socar, correr) contra sobrecarga é na verdade uma prática primitiva, que data do inicio do desenvolvimento do treinamento esportivo. Antes pensava se que ao corredor bastava correr mais, ao nadador bastava nadar mais. Num outro momento passou se a utilizar, caneleiras, pequenos halteres, etc. O que descobriu-se com o passar dos anos é que algumas dessas práticas podiam ser na verdade contra producentes, uma vez que distorciam a apurada técnica original e modificavam todo o timing e a coordenação entre segmentos corporais, a descontração diferencial, exigidas num gesto eficiente e econômico a nível de gasto energético. Na atualidade, muitos treinadores não concebem um treinamento de força realmente funcional, para alto rendimento no esporte, sem a utilização dos levantamentos básicos e olímpicos.



Qual o seu objetivo então? Você é atleta de vôlei ? Atleta de vale-tudo? Você deseja hipertrofia? Deseja gastar calorias para emagrecimento, ou você é apenas um freqüentador comum de academia que deseja uma alternativa diferente às atividades comumente oferecidas, que seja capaz de lhe manter motivado a continuar se exercitando pro resto da vida? Aos atletas fiquem atentos, os complexos de exercícios devem ser selecionados de maneira específica ao seu esporte, exceto quando o objetivo for preparação geral, caso contrário seu treinamento será sim exótico, mas não funcional. Aos freqüentadores de academia, os verdadeiros benefícios “funcionais” dessas práticas tem menos a ver com o que elas propõe, do que com o fato de serem uma atividade nova no mercado, capaz de motivar, e com isso manter a adesão e continuidade a prática dos exercícios.

7 comentários:

  1. Concordo plenamente,séries exóticas não resultam em melhores ganhos.

    ResponderExcluir
  2. .,MAIS UMA VEZ É COM GRANDE PRAZER QUE LEIO UM TEXTO BEM REDIGIDO,CONCISO E PRECISO EM SUAS COLOCAÇÕES!DE TODOS OS BLOGS QUE FALAM DE HIPERTROFIA, FORÇA E TREINAMENTO QUE CONHEÇO, ESTE É UM DOS POUCOS QUE VALEM A PENA VISITAR REGULARMENTE!PARABENS MEU QUERIDO AMIGO E COLEGA DENILSON,VC É UM ORGULHO DA PROFISSÃO E ENTRE OS MEUS COLEGAS DE "PESO" UM DOS QUE EU MAIS ADMIRO!!VC COLOCA SUAS IDÉIAS E PONTO DE VISTA "SEM GUERRINHAS DE VAIDADE"...SEM QUERER SER OVACIONADO E NEM IDOLATRADO POR NINGUEM.. APENAS COM SUA HUMILDADE E GRANDE INTELIGENCIA COMO DE COSTUME" BEIJOS GRANDES, CRIS BARATA

    ResponderExcluir
  3. Caro Mestre Denílson, suas colocações não poderiam ser mais pertinentes e elucidativas. O termo "treinamento funcional" em seu texto está bastante claro e conciso, sem margens para discussões ou argumentos contrários ou sem embasamentos, obviamente resultado de pesquisas prévias e conhecimentos acumulados. Sua definição de "necessidades frequentes de frequentadores de academia" não poderia ser mais correta, falo com conhecimento de causa já q trabalho na área há mais de 5 anos, com passagens em pequenas, médias e grandes academias. Excelente a idéia de vc ter 1 blog para q vc possa compartilhar seus conhecimentos, serei leitor assíduo! Um forte e fraterno abraço de seu discípulo! :D

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela abordagem professor...

    Aproveitei o conteúdo e complementei o meu posicionamento no blog que mantenho.

    Forte abraço e sucesso sempre!

    ResponderExcluir
  5. Caramba,meu amigo!Que texto!Parabéns!É muito bom saber qie temos cabeças pensantes na Ed.Física e não meros seguidores de moda,desesperados para não perderem seus alunos de Personal Training.
    Adorei!Seu site já encabeça meus favoritos...
    Vou mostrar esse texto para um aluno meu,hj à noite...
    Fica com Deus,Professor!

    Abraço do André

    ResponderExcluir
  6. É de lamentar que as academias de hoje estao lotadas de modismos com tantas maquinas que nao servem para nada. nada melhor que os treinos basicos old school. Felizmente fui inteligente o suficiente para ver o lado reverso da moeda .

    ResponderExcluir